Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:
RETIRADA DE FÁRMACOS DO MERCADO: DO RISCO AO CONSTRANGIMENTO

Na atualidade,portadores de enfermidades crônicas manifestam certo cuidado em utilizar antiinflamatórios recém-lançados no mercado, pelo temor dos desagradáveis efeitos colaterais. A justificativa seria o conhecimento de que o produto farmacêutico de nome Vioxx®, autorizado a entrar no mercado em 1999, fora retirado das prateleiras das farmácias depois de cinco anos de comercialização, por provocar 27 mil ataques cardíacos e mortes súbitas, em usuários nos Estados Unidos.  

Os pacientes que utilizam essas drogas são, geralmente, leitores assíduos e bem informados a respeito das enfermidades, com as quais convivem, e com as drogas de que, obrigatoriamente, fazem uso com o intuito de minimizar sintomas. A indignação dos pacientes se exacerbou quando souberam que o laboratório farmacêutico, responsável pela produção e comercialização do referido produto, tomara conhecimento dos efeitos adversos da droga dois anos antes da proibição de consumo.

Os médicos são frequentemente surpreendidos com a suspensão da venda de produtos farmacêuticos, por motivos nem sempre fielmente esclarecidos. Não há exagero ao afirmar-se que, em sua maioria, são os últimos a tomar conhecimento das razões que levaram à retirada de determinados produtos das prateleiras das farmácias. As justificativas, quando declaradas, costumam ser motivadas: seja por determinarem risco à saúde dos usuários, seja em decorrência de inviabilidade comercial alegada pelos fabricantes, em razão da dificuldade de importação de princípios ativos a preços competitivos. Pode-se afirmar, entretanto, que muitos são os fármacos recolhidos por intervenção dos órgãos de Vigilância Sanitária, por oferecerem perigo à saúde do consumidor.

A avaliação de novos fármacos e vacinas postos à disposição da classe médica pela indústria farmacêutica, mesmo em fase de comercialização, não importa o tempo de liberação para uso, constitui-se na chamada fase IV dos experimentos clínicos. Assim, a constatação estatisticamente significante, sobre a ocorrência de agravo à saúde dos pacientes, não previsto pelos fabricantes, deve obedecer a preceitos da área de farmacovigilância, vinculados às Agências de Vigilância Sanitária, que determinam a imediata suspensão de venda do produto.

Qual será a justificativa oferecida pelomédico aos seuspacientes, a quem prescreveu o Prexige®, lançado no mercadoem 2005, comosucedâneo do Vioxx®, e que, a exemplo dos paíseseuropeus, em curto espaço de tempo, também foi banido do receituáriomédicobrasileiro? A resignação do paciente, emaceitar as palavras tranquilizadoras do médico, tem sido respaldada pelo fato raro de doisprodutosfarmacêuticos serem punidos pelo desuso, emrazão de promoverem semelhantesefeitoscolaterais.

Em relação ao Prexige®, há o ônus de a literaturamédicaregistrar, além das complicações cardiovasculares, a ocorrência de severas lesões hepáticas, algumas de caráterirreversível, quando do uso prolongado. Tais razões justificariam o insucesso das duas marcascomerciaisjá citadas, levando-se emconta a similitude de ambas as formulções

Desde o lamentável evento registrado na história após a comercialização da Talidomida, em meados do século XX, que resultou em graves distúrbios teratogênicos, permanece a lição de que os médicos devem ficar mais atentos aos efeitos colaterais das novidades terapêuticas, obviamente sem transmitir pânico aos pacientes sujeitos a tratamentos com as drogas corretamente indicadas, em prescrições adequadas.

Não há motivo para esquecer que, diante da imensurável concessão ofertada à indústria farmacêutica para a utilização de novos produtos neste país, torna-se indispensável maior atenção no avaliar riscos e benefícios para a segurança dos pacientes e a garantia dos receituários.        

              

                                                                                                        Sérgio Ibiapina F. Costa

                                                                                                                       Médico

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Conselho Regional de Medicina do Estado do Piauí
Rua Goiás nº 991 - Ilhotas - Teresina/PI | CEP - 64014-055
Fone: (86) 3216-6100
E-mail - atendimento@crmpi.org.br
|
|
Delegacia Regional de Parnaíba - PI
Av. Álvaro Mendes, nº 1813, bairro Nova Parnaíba, CEP 64218-375
Fone: (86) 3321-1830 / (86)988020136
E-mail: delegaciaparnaiba@crmpi.org.br
|
|
Delegacia Regional de Picos - PI
Rua João XXIII, N º 305, Centro, Picos Piauí -CEP 64600-312
Fone: (89) 3422-5488
E-mail: delegaciapicos@crmpi.org.br